13 C
São Paulo
29 de maio de 2024

Gartner aponta as principais tendências de tecnologia para governos em 2024

Os CIOs que atuam no governo devem considerar o impacto das seguintes tendências de tecnologia em suas organizações e aplicar insights para justificar os investimentos

O Gartner identificou as cinco principais tendências de tecnologia para governos em 2024, que podem orientar os líderes do setor público a oferecerem serviços melhores, mais rápidos e cada vez mais econômicos para a população.

“O aumento da turbulência global, as ameaças cibernéticas contínuas e a adoção da Inteligência Artificial (IA) estão pressionando cada vez mais os governos para atenderem às demandas dos cidadãos de forma mais rápida e criativa do que nunca”, afirma Todd Kimbriel, Vice-Presidente e Analista do Gartner. “Os CIOs que atuam em órgãos do governo devem encontrar novas maneiras de atender às demandas dos cidadãos por serviços modernos, acessíveis e resilientes, concentrando-se em tecnologia sustentável e escalável.”

Os CIOs que atuam no governo devem considerar o impacto das seguintes tendências de tecnologia em suas organizações e aplicar insights para justificar os investimentos para melhoria de recursos de negócios, alcançar as prioridades de liderança e criar órgãos governamentais mais preparados para o futuro.

5 principais tendências de tecnologia para governos em 2024, segundo o Gartner, são:

1) Segurança Adaptativa: O Gartner prevê que, até 2028, a Inteligência Artificial multiagente, sendo usada na detecção de ameaças e na resposta a incidentes, aumentará de 5% para 70% entre as implementações de IA para ampliar, e não substituir, a equipe. A IA está criando novas adaptações e requisitos de segurança cibernética, o que apresenta novas oportunidades para os CIOs que atuam em governos. Um modelo de segurança adaptativa mescla e ajusta continuamente ferramentas, técnicas e talentos de segurança cibernética ao cenário de ameaças em constante mudança. “Os CIOs e líderes do governo precisam superar qualquer resistência persistente em relação à adoção da segurança adaptativa, vinculando seu valor a objetivos mais amplos, como inovação e transformação digitais, objetivos de segurança nacional e resiliência operacional”, diz Kimbriel.

2) Ecossistemas de Identidade Digital: A identidade digital no governo está se expandindo para ecossistemas maiores que incluem autenticação de usuários, identificadores exclusivos de cidadãos ou organizações e verificação de credenciais, como carteiras de identidade baseadas em smartphones. O Gartner prevê que, até 2026, pelo menos 500 milhões de usuários de smartphones no mundo farão regularmente reivindicações verificáveis usando uma carteira de identidade digital criada com base na tecnologia de ledger distribuído.

De acordo com o Gartner, os CIOs do governo podem fortalecer sua estratégia de identidade digital com base em casos de uso e parcerias que rompem com os silos tradicionais do setor para agregar mais valor aos cidadãos, às empresas e ao próprio governo. Eles têm a oportunidade de moldar esses ecossistemas emergentes, afirmando o papel do governo como facilitador e regulador da identidade digital.

3) IA para Inteligência Decisória: O Gartner prevê que mais de 70% dos órgãos governamentais usarão a Inteligência Artificial (IA) para aprimorar a tomada de decisões administrativas humanas até 2026. O Machine Learning (aprendizado de máquina), analytics e a IA Generativa amadurecerão nos próximos dois anos e se combinarão em um conjunto de ferramentas que fornecerão suporte à prestação de serviços governamentais aprimorados. “Essas ferramentas precisarão estar sujeitas a uma governança cuidadosa. Portanto, é importante que os CIOs do governo conduzam a adoção da IA e as políticas de governança em toda a organização”, afirma Kimbriel. “Eles devem desenvolver uma estratégia que incorpore essas políticas com foco nos resultados desejados e, em seguida, adotar uma abordagem de garantia contínua para assegurar que elas sejam mantidas após a implementação.”

4) Agilidade da Plataforma Digital: As organizações governamentais estão adotando cada vez mais soluções baseadas em plataformas, como Nuvens específicas (Industry Cloud) e plataformas de aplicações de low-code (código baixo, em português). Isso permite que elas implementem rapidamente recursos de negócios e abordem os riscos de prestação de serviços apresentados por sistemas antiquados, além de flexibilizar e dimensionar facilmente as demandas de serviços aos cidadãos. Os recursos nativos em Nuvem dessas soluções proporcionam maior controle de custos e mais rapidez na obtenção de valor. As soluções baseadas em Cloud abrirão novas oportunidades de inovação e transformação dos processos de negócios nas organizações governamentais. O Gartner recomenda que os CIOs do governo implementem uma estratégia MultiCloud para maximizar essas oportunidades e reduzir as complexidades da modernização incremental em vários sistemas.

5) Gerenciamento de Dados Programáticos: Os líderes governamentais estão exigindo um maior uso de dados para a tomada de decisões e planejamento. O gerenciamento de dados programáticos é a abordagem sistemática e dimensionável para permitir o uso de ativos de dados em órgãos públicos, o que tem avançando por meio de plataformas de automação e sua capacidade de incorporar recursos de IA. De acordo com o Gartner, mais de 60% das organizações governamentais priorizarão o investimento em automação de processos de negócios até 2026, em comparação com 35% registrados em 2022.

“Os dados continuam sendo a base da tomada de decisões no governo, e a crescente proliferação da IA enfatiza novamente a necessidade de os CIOs do governo aprimorarem a qualidade e a eficiência dos dados em escala ao melhorar as regras e estruturas que os governam”, diz Kimbriel.