14.1 C
São Paulo
13 de julho de 2024

Governança digital é a chave para a sustentabilidade das automações empresariais

Gustavo Pasqual (*)

No cenário atual, marcado por avanços tecnológicos constantes e uma corrida pela eficiência operacional, é comum observar empresas adotando soluções tecnológicas para automatizar processos e aumentar a produtividade. No entanto, muitas vezes essa busca por automação é conduzida de forma desorganizada, resultando em soluções fragmentadas e vulneráveis a falhas. É nesse contexto que a governança digital emerge como uma ferramenta essencial para garantir a sustentabilidade e a evolução contínua das automações empresariais.

Ao refletirmos sobre a realidade das empresas, é evidente o dilema enfrentado pelos departamentos de TI, financeiro e administrativo. A falta de padronização e documentação adequada das automações resulta em uma dependência excessiva de indivíduos-chave. Quando esses colaboradores deixam a empresa, seja por motivos de saída voluntária ou imprevistos, como doença ou acidente, as automações por eles desenvolvidas se perdem, levando a um caos operacional.

Na prática, isso se traduz em horas desperdiçadas na tentativa de recuperar ou recriar processos automatizados. Os profissionais de TI são sobrecarregados com a manutenção de uma infinidade de agendadores e automações, enquanto os colaboradores do financeiro e do administrativo enfrentam a frustração de ver suas iniciativas de automatização se dissiparem com suas saídas.

Além disso, a falta de uma governança adequada impacta diretamente na capacidade das equipes de inovar e criar valor para a empresa. Profissionais talentosos são relegados à posição de meros solucionadores de problemas, incapazes de dedicar tempo e recursos para desenvolver novas soluções e impulsionar o crescimento do negócio.

Nesse contexto, a implementação de uma plataforma de governança digital se revela como um ponto de inflexão crucial. Essas plataformas fornecem estruturas para a criação, documentação e gerenciamento de automações empresariais, independentemente das pessoas envolvidas. Com recursos de rastreamento e histórico, as empresas podem garantir a continuidade e a perenidade de seus processos automatizados.

Um exemplo prático ilustra os benefícios tangíveis dessa abordagem. Em uma empresa que enfrentava desafios semelhantes, a adoção de uma plataforma de governança digital permitiu a criação de automações sustentáveis e escaláveis. Os robôs desenvolvidos tornaram-se ativos valiosos da empresa, com capacidade de operar de forma consistente ao longo do tempo, independentemente das mudanças na equipe.

Mais importante ainda, a plataforma de governança liberou os talentos da equipe de TI para se concentrarem em atividades estratégicas e inovadoras. O profissional que anteriormente estava sobrecarregado com tarefas de manutenção pôde finalmente dedicar seu tempo e expertise para impulsionar a transformação digital da empresa.

Em suma, a governança digital não apenas mitiga os riscos associados à dependência de indivíduos, mas também capacita as empresas a inovar e crescer de forma sustentável. Ao adotar uma abordagem centrada na governança, as organizações podem transformar seus desafios em oportunidades, construindo uma base sólida para o sucesso a longo prazo.

Portanto, é imperativo que as empresas reconheçam a importância da governança digital e a incorporem de forma proativa em sua estratégia de automação. Somente assim poderão trilhar o caminho rumo a uma transformação digital verdadeiramente sustentável e resiliente.

(*) Diretor Comercial da Autom Technologies.