Você está aqui: HomeFornecedor de TINotícias do FornecedorAtualidadesAplicativos financeiros, comércio mobile e de streaming de filmes ganham força no país

Aplicativos financeiros, comércio mobile e de streaming de filmes ganham força no país

Publicado em Atualidades
19 Dezembro 2019

Pesquisa Panorama Mobile Time/Opinion Box - Uso de Apps no Brasil também aponta que os wearables (dispositivos vestíveis) estão em alta entre os jovens das classes A e B

A mais recente pesquisa sobre o uso de apps pelos brasileiros que possuem smartphone, realizada pela Mobile Time e Opinion Box, releva que os aplicativos financeiros, de comércio mobile e streaming de filmes ganham força no país, conquistando uma posição na tela inicial dos aparelhos móveis, a chamada "home sreen".

Entre os apps de bancos, de pagamentos e comércio móvel o destaque é para o Nubank, que nesta edição saltou da 18ª para a 12ª posição. Esta é primeira vez que o Nubank supera nesse ranking dois gigantes do mercado bancário brasileiro: Bradesco e Itaú. Caixa, iFood e 99 também cresceram acima da margem de erro. E entraram pela primeira vez para o radar de apps o Mercado Pago e PicPay, dois apps nacionais de pagamentos.

Segundo Fernando Paiva, editor do Mobile Time e organizador da pesquisa Panorama Mobile Time/Opinion Box - Uso de Apps no Brasil, o crescimento da presença de apps de bancos, pagamentos e comércio móvel na tela inicial do brasileiro é resultado do aumento do número de fintechs e do uso de QR codes em estabelecimentos comerciais. "A tendência é que este segmento aumente ainda mais com lançamento no ano que vem da plataforma de pagamentos instantâneos do Banco Central, que permitirá a transferência de valores em tempo real entre contas de instituições bancárias e de pagamentos diferentes, pois a interoperabilidade será obrigatória. Acreditamos que a próxima edição da pesquisa, prevista para maio de 2020, essa tendência de alta dos apps de pagamentos ganhe ainda mais força", afirma.

Crescimento dos serviços pagos de streaming de filmes e música

Os serviços de streaming têm movimentado o mercado de oferta de conteúdo em múltiplas telas, que podem ser vistos em qualquer tela (TV, computador e dispositivos móveis) a qualquer hora e lugar. Em seis meses, subiu de 38% para 44% a proporção de brasileiros com smartphone que assinam algum serviço pago de streaming de filmes e séries. Nesta edição da pesquisa, pela primeira vez, o Netflix perdeu participação como o serviço pago de streaming de vídeo mais popular, abrindo espaço para Amazon Prime Video e GloboPlay. Com a previsão da chegada do Disney+ ao Brasil em 2020, a expectativa é que a concorrência se torne ainda mais acirrada.

No caso do streaming de música, em seis meses, subiu de 20% para 26% a proporção de brasileiros com smartphone que assinam algum serviço pago. O Spotify manteve o seu mercado na liderança e subiu de 61% para 62% como o serviço preferido. O segundo colocado, Deezer, perdeu 9 pontos percentuais, sendo citado por 16% do público que assina streaming de música. "Aparentemente, o Deezer perdeu espaço para o Amazon Music (5%) e para o Youtube Music (4%)", comenta Fernando Paiva.

O Panorama Mobile Time/Opinion Box - Uso de Apps no Brasil também pesquisou a preferências dos usuários por serviços de voz, rede sociais, jogos eletrônicos e wearables (dispositivos vestíveis), que estão em alta no Brasil: em 12 meses aumentou de 10% para 16% a proporção de brasileiros que possuem algum relógio ou pulseira conectados ao seu smartphone. O hábito é mais comum entre homens jovens das classes A e B. O relatório completo pode ser baixado em www.panoramamobiletime.com.br/

 

Entre para postar comentários